27 de dez de 2008

Feliz 2009 ! Feliz Sempre !


New Year
Artista: Pablo Picasso


Desejo a todos os amigos , acompanhantes e visitantes do Arte Imita a Vida um Ano Novo pleno de realizações, alegria, saúde, paz , prosperidade e harmonia.





A Idade de Ser Feliz
Mário Quintana
*
Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realiza-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.Uma só idade para a gente se encontrar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer. Fases douradas em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor.Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso. Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.


***

7 de dez de 2008

A Origem e o Simbolismo do Natal


Independente de religião ( e do consumismo dessa época ) eu adoro o período das festas natalinas . Gosto de montar a árvore de natal , o presépio e acho interessante o que representa cada peça desses ornamentos . Pode ser que esteja fora de moda gostar dessas tradições, mas eu evito o natal consumista e ainda cultivo o hábito de montar o presépio e a árvore de natal .
Recebi esse texto sobre o simbolismo do natal e compartilho .
***

O SIMBOLISMO do NATAL
Prof. Henrique José de Souza
*

Um dos mais belos e significativos acontecimentos do ano é, sem dúvida alguma, o Natal. O mundo cristão comemora nesta data o nascimento de Jesus, o Cristo. Aquele que os cristãos consideram o Salvador do Mundo e que os verdadeiros Teósofos e Ocultistas reconhecem, além do mais, como a manifestação cíclica do Espírito de Verdade, ou seja, como um Avatara Divino. Nessa data, plena de encantamento e de amor, as famílias cristãs se congregam em reuniões as mais íntimas e santas para cultuarem no recesso de seus lares o simbolismo do Natal.


Na noite de 24 para 25 de dezembro, conhecida há perto de vinte séculos como a Noite de Natal, comemora-se em todo o mundo cristão o nascimento do Menino-Deus, com as manifestações do maior regosijo e da mais pura devoção. Papai-Noel faz nessa noite sua visita tradicional aos petizes, deixando-lhes uma lembrança no sapatinho posto à beira da cama. Nos lares, engalanados com enfeites multicores, há o Presépio e a Árvore de Natal. Desse modo, ano após ano, de uma forma inconsciente e agradável, é transmitida de geração a geração uma tradição extraordinariamente bela, cuja origem se perde na noite dos tempos, anterior mesmo ao advento do Cristianismo.
O simbolismo do Natal oculta transcendentes mistérios. À luz dos conhecimentos eubióticos, procuraremos levantar uma pontinha do denso véu que encobre, aos olhos profanos, tais excelsitudes.


Diz a tradição que o Anjo Gabriel apareceu à Virgem Maria e Lhe anunciou o nascimento do Filho de Deus.

As religiões de todos os povos possuem as suas Virgens-Mães, Marias ou Mayas que são: Adha-nari, a brâmane; Ísis, a egípcia; Astaroth, a hebraica; Astarté, a síria; Afrodite, a grega; Vesta, a romana; Herta, dos germanos; Ina, da Oceania; Isa, a japonesa; Ching-Mu, a chinesa, e muitas outras, inclusive a que o nosso tupi denomina de Jaci, "a mãe dos frutos", etc., pois como é sabido, Maria provém de Mare – o Mar – simbolicamente "a grande ilusão". Entre os iorubanos da África, Iemanjá, o orixá feminino, é a mãe d'água ou o próprio mar divinizado, equivalente no seu culto àquilo que em tais religiões simboliza a Virgem Mãe, Ísis, a Lua, desde que Osíris representa o Sol.

Os egípcios acreditavam que o pequeno Hórus era filho de Osireth e de Oset, cujas almas se transformaram respectivamente nas do Sol e da Lua, depois da morte desses personagens.

Os antigos israelitas, muito antes da nossa Era, chamavam a rainha do céu (ou "Regina Coeli") de Mênia, donde se derivou Neomênia (Nova Lua), que vem a ser a mesma Maria (em seus diversos nomes), mãe de Deus encarnado, nos vários cultos religiosos.

Quanto ao lugar do nascimento do Menino Jesus, diz a Igreja que ele se deu em Belém, cidade da Palestina, tendo sido a criança recém nascida colocada numa mangedoura. A palavra Belém é formada de duas letras hebraicas, Beth e Aleph, significando cabalisticamente a Casa de Deus ou Templo de Deus. Este é também o significado da palavra Apta, muitíssimo mais antiga, pois provém da submersa Atlântida, tendo sido o nome de sua oitava cidade, a Shamballah ou "Região dos Deuses", que mantinha a espiritualidade entre as demais cidades que se podem interpretar também como províncias ou países, governadas pelos "Sete Reis de Edom", Reis que eram na Terra as expressões humanas dos Sete Dhyans-Choans. Seria supérfluo assinalar a identidade de sentido entre Edom e Eden, o bíblico Paraíso terrestre.

APTA tem ainda o significado de "creche ", mangedoura , presépio e também "O lugar onde nasce o Sol". O simbolismo do presépio é uma cópia fiel do que existe nos ritos bramânicos, além de outros. Segundo Bournouf, assim se explica sua origem: A cruz Suástica (não confundir com a Sovástica do Nazismo que tem a rotação em sentido contrário, símbolo portanto da involução) é representada por dois pedaços de madeira que, para não se moverem, são cravados com quatro pregos e na junção dos braços da cruz passa uma corda que, pela fricção, produz fogo. O Pai do Fogo Sagrado é o divino carpinteiro Tuashtri, que prepara a cruz e o pramanta que deve gerar o filho divino. A Mãe do Fogo Sagrado é Maya, que equivale à Virgem Maria cristã.

Quando o pequeno Agni nasce (Agni é fogo em sânscrito; Agnus, em latim, é o Cordeiro. "Agnus Dei Qui tollis peccata mundi"...) - é colocado num berço (mangedoura) entre animais, e ao lado fica a Vaca mugidora. Ora, Vach (o mesmo que vaca), em sânscrito significa o Verbo Sagrado, Palavra Criadora ou Logos Criador.

Procuremos agora relacionar esses fatos com aquela conhecida passagem bíblica: "No princípio era o Verbo, e o Verbo se fez carne e habitou entre nós..."

O sacerdote brâmane toma o pequeno Agni em suas mãos, coloca-o sobre um altar untando-lhe o corpinho com manteiga clarificada, do que se originou a sagrada unção pelos santos óleos adotada pela Igreja nos batismos. É justamente quando o menino Agni recebe o nome de Ungido (Iluminado), Akta em sânscrito e Christos, em grego. Torna-se ele resplandescente, pois que tudo em seu redor se ilumina. As trevas desaparecem e os demônios fogem espavoridos ao clarão de sua luz cintilante.

Ele é o Mestre dos mestres e toma o nome de Jâtavâdas: Aquele em quem a Sabedoria é inata.

Como se vê, a tradição da Sagrada Família aqui no Ocidente representada por Jesus, Maria e José (o carpinteiro), se encontra nos Vedas, a escritura sagrada dos hindus, com uma antiguidade de 3100 anos anterior à nossa Era.

A mãe de Krishna, que surgiu na Índia cerca de 3500 anos A.C. se chamava Devaki, linda e virtuosa princesa, irmã do Rei de Madura, em torno da qual se criaram as mesmas lendas relativas a outras Virgens-Mães ou Marias. É curioso também assinalar a estranha semelhança de grafia e de som entre a expressão latina Jesus Christus e Ieseus Krishna...

Escreve Blavatsky em sua Doutrina Secreta: "Desde os rischis indianos até Virgílio, e de Zoroastro à última sibila, todos, sem exceção, desde o começo da Quinta raça-mãe, profetizaram, cantaram e prometeram a volta cíclica da Virgem e o nascimento de uma criança divina, que faria voltar a "Satya Yuga", a idade de ouro sobre a Terra. Logo que as práticas da Lei estiverem na ocasião precisa de terminar o ciclo da "Kali Yuga" (idade negra, em que ainda vivemos), um Aspecto do Ser Divino, que existe em virtude de sua própria natureza espiritual, na pessoa de Brahmâ, e que é o Começo e o Fim (Alfa e Ômega), descerá sobre a Terra. Ele nascerá na Família de Vishnujasha, como um Eminente Filho de Shamballah e Senhor dos oito poderes do Iogui. Por seu imenso poder, destruirá Ele todos aqueles cujo mental é voltado à iniquidade. Então a Justiça se fará na Terra, e os que viverem até o fim da "Kali Yuga", despertarão com o mental transparente e puro como o cristal".

Fonte: Mensageiros


***


Origem do Natal


"Nascimento do Deus Sol Invencível" era o tema da grande festividade romana que comemorava o solstício de inverno no dia 25 de dezembro. Outras celebrações, como a “Saturnália”, em honra ao deus Saturno, tomavam conta da Europa neste mês, entre 17 e 22 de dezembro, ainda no século 3 d.C. Em momentos simultâneos da história, cristãos comemoravam as diferentes etapas da vida de Cristo, buscando testemunhos do dia exato de seu nascimento, enquanto pagãos celebravam a chegada da luz e dos dias mais longos ao fim do inverno. Foi somente no ano de 354 d.C que o Papa Libério, querendo cristianizar as festividades pagãs entre os vários povos europeus, instituiu oficialmente a celebração do Natal - a data de nascimento de Jesus.


A palavra Natal deriva do latim Natale - grafada com a inicial maiúscula quando se refere ao nascimento de Jesus, cujo aniversário teria sido escolhido, segundo boa parte dos estudiosos, para coincidir com a festividade romana do deus Sol. À festa de raízes pagãs foi conferida uma nova linguagem cristã, da mesma forma que alusões ao simbolismo de Cristo como o “sol da justiça” (Malaquias 4:2) e a “luz do mundo” (João 8:12) expressam o sincretismo religioso desta data. Hoje, junto com a Páscoa, o Natal é a celebração mais significativa para a Igreja Católica e cristã em geral, ao mesmo tempo em que é encarado universalmente por vários credos como sendo o dia da reunião da família, da solidariedade e da fraternidade entre as pessoas. No Brasil, as celebrações natalinas já ocorriam com a presença dos jesuítas, no século 16, e eram marcadas por uma festa religiosa tradicional, com a missa do galo, o jantar em família e a montagem de presépios como os momentos mais importantes.


A distribuição de presentes, o Papai Noel ou a árvore natalina seriam introduzidas só em fins do século 18 no país, quando a festa começa a ser associada à infância. Principalmente após a 1ª guerra mundial (1914) fixam-se os costumes de distribuição de presentes a crianças carentes, mas é provável que famílias de elite e de classe média tenham iniciado as comemorações como as conhecemos hoje antes disso, pelo contato com países industrializados e protestantes.


De celebração de uma simples missa, o Natal foi substituindo várias festividades em diversos países e passou a incluir um infinito número de tradições. Com o individualismo característico da Reforma Protestante tornou-se uma forma de movimentar a troca de mercadorias e o capitalismo. Também a figura do Papai Noel, calcada em São Nicolau (ver Tradições Natalinas) incorporou práticas do paganismo nórdico. Daí as imagens de neve associadas ao evento e à árvore de Natal .

***




We Wish You a Merry Christmas- Enya

*

19 de nov de 2008

Piaf - Um Hino ao Amor

Alguns dias atrás fizemos uma sessão de cinema em casa e entre outros vimos - eu e minha linda companhia - Um Hino ao Amor , filme biográfico de Edith Piaf . A história de Piaf é emocionante , chorei ... Não é lançamento, mas é muito bom , e para quem não viu na telona na época em que foi lançado , como eu , é uma boa dica de cinema em casa .

Veja a crítica da Marina Lourenço Alves , publicada no Cinema Net ...

"Se existe um gênero dentro do cinema que é capaz de despertar sensações controversas de amor e ódio tanto quanto as adaptações literárias, esse gênero é a biografia. Existem diversos tipos de abordagem de roteiro, direção e fotografia e com certeza, num canto escuro de algum cinema, sempre haverá um fã decepcionado com a narrativa do filme. Esse poderia ser o meu caso e o de muitos outros fãs da – ouso dizer – maior cantora francesa de todos os tempos no filme “Piaf – Um Hino ao Amor” (no título original, La Môme).

Torna-se difícil, portanto, não mencionar grandes momentos de Piaf que foram negligenciados no decorrer do filme. Sua relação com sua filha e seu último marido foram superficialmente exploradas, bem como sua dependência de morfina e a amizade com grandes nomes da literatura, música e cinema (em certo momento, enquanto se apresenta nos Estados Unidos, vemos uma irreconhecível Marlene Dietrich se aproximar e tecer elogios à cantora; Jean Cocteau é mencionado mas jamais aparece; Yves Montand é esquecido e Charles Aznavour merecia uma maior participação), no entanto, nada disso tira os méritos e o encanto da película.

O grande triunfo do diretor Olivier Dahan fica nas mãos da atuação magistral e “mediúnica” de Marion Cotillard e da equipe de direção de arte e maquiagem. A jovem de 32 anos não havia feito nada muito promissor até agarrar o roteiro de Dahan e encarnar “la môme piaf”, ou “o pequeno pardal” como Edith era chamada no início de sua carreira devido a sua estatura de apenas 1,42 cm. Edith Giovanna Gassion, apesar de pequenina, tinha um potencial vocal gigantesco. A grandeza de sua voz foi proporcional as tragédias que aconteceram em sua vida que desde criança sofreu com a ausência dos pais e a cegueira temporária, além da condição financeira lamentável e de outras doenças que debilitaram sua saúde. Seus muitos amantes jamais supriram a perda de seu grande amor Marcel Cerdan, morto num acidente de avião e seus muitos acidentes automobilísticos ajudaram a piorar a condição de sua saúde. Mesmo assim, Edith Piaf encontrava forças para escrever as mais belas canções de amor e parecia viver para se apresentar em palcos diante de multidões que aplaudiam suas interpretações passionais maravilhadas (... ) "
Leia mais aqui

Cena memorável do filme Um Hino ao Amor, com Marion Coutillard

Non, je ne regrette rien


*
Agora a verdadeira Edith Piaf cantando Hynme a l'amour( Um Hino ao Amor)

11 de nov de 2008

Apocalyptica :: 'Stairway To Heaven'


Deixei no Alternativa os links deste blog e do Arte Ilumina a Vida para a escolha da música que combina com cada um dos blogs e foi escolhida a banda Apocalyptica para o primeiro . Confesso que não conhecia essa banda , mas pesquisei , conheci e gostei . O gênero musical é neo-clássico ou pop-clássico, um misto de música pop e erudita .
"Apocalyptica é uma banda finlandesa formada por três exímios violoncelistas e, desde 2005, um baterista. Tem como especialidade o 'symphonic metal' (heavy metal tocado por instrumentos de música sinfônica), tocando também música clássica. Todos os formadores frequentaram a Academia Sibelius, em Helsinque, onde se conheceram e, em 1993, se juntaram para fazer, por diversão, arranjos com violoncelos. " ( wikipédia ) .
Selecionei dois vídeos e vale a pena conhecer essa banda de estilo único, inconfundível e ultra moderno . É a música erudita do século XXI . Coincidência, ou não, a banda Apocalyptica fez uma versão instrumental do clássico do rock 'Stairway To Heaven " do Led Zeppelin, uma das principais músicas da trilha sonora da minha adolescência ... Eu simplesmente amo de paixão 'Stairway To Heaven '. A versão instrumental ficou linda!

Quando mencionei a música da Enya aqui - também do gênero neo-clássico - alguns não gostaram. Imagino que terão dificuldades em gostar da banda Apocalyptica. Mas vale a pena conhecer, nem que seja para ter uma visão crítica . Eu não conhecia, passei a conhecer e gostei .

Para o ' Arte Ilumina a Vida ' foi escolhido o grupo Era. Este eu já conheço há muito tempo e aprecio . Mas isso é assunto - quem sabe um post - para aquele blog .


Apocalyptica - The Unforgiven



Apocalyptica-Stairway to Heaven

***

Agora a versão original ...


Led Zeppelin - Stairway to Heaven

Stairway To Heaven

(tradução)

Composição: Led Zeppelin


Escadaria para o paraíso

Há uma senhora que acredita

Que tudo o que brilha é ouro

E ela está comprando uma escadaria para o paraíso

Quando ela chega lá ela descobre

Que se as lojas estiverem todas fechadas

Com apenas uma palavra ela consegue o que veio buscar

E ela está comprando uma escadaria para o paraíso

Há um cartaz na parede

Mas ela quer ter certeza

Porque você sabe que às vezes

as palavras têm duplo sentido

Em uma árvore a beira do riacho

Há um rouxinol que canta

Às vezes todos os nossos pensamentos estão errados.

Isto me faz pensar

Isto me faz pensar

Há algo que sinto

Quando olho para o oeste

E meu espírito chora ao partir

Em meus pensamentos tenho visto

Anéis de fumaça atravessando as árvores

E as vozes daqueles que ficam parados olhando

Isto me faz pensar

Isto realmente me faz pensar

E um sussurro avisa que em breve

Se todos entoarmos a canção

O flautista nos levará à razão

E um novo dia irá nascer

Para aqueles que suportarem

E a floresta irá ecoar gargalhadas

Se há um alvoroço em sua horta

Não fique assustada

É apenas limpeza primaveril da rainha de maio

Sim, há dois caminhos que você pode seguir

Mas na longa estrada

Há sempre tempo de mudar o caminho que você segue

E isso me faz pensar

Sua cabeça lateja e não vai parar

Caso você não saiba

O flautista te chama para você se juntar a ele

Querida senhora, pode ouvir o vento soprar?

E você sabia

Sua escadaria repousa no vento sussurrante

E enquanto corremos soltos pela estrada

Com nossas sombras mais altas que nossas almas

Lá caminha uma senhora que todos conhecemos

Que brilha luz branca e quer mostrar

Como tudo ainda vira ouro

E se você ouvir com atenção

A canção irá finalmente chegar a você

Quando todos são um e um é o todo

Ser uma rocha e não rolar

E ela está comprando uma escadaria para o paraíso...

***


8 de nov de 2008

A Visão Planetária de Barack Obama


Esse artigo de autoria do Carlos Cardoso Aveline , foi publicado em várias listas de discussão e originariamente no site 'Filosofia Esotérica' . Apesar do texto ser muito longo e sabendo que geralmente as pessoas não lêem textos assim em blogs , decidi postá-lo aqui .
Eu me considero uma teosofista, ainda que não faça parte de nunhuma congregação teosófica. Tive meu primeiro contato com a teosofia ( filosofia esotérica ou sabedoria divina ) através do livro " A Chave da Teosofia " , de Helena P. Blavatsky, que ganhei de um frater rosacruz. Ainda não li "A Doutrina Secreta " da mesma autora, mas tenho pesquisado bastante sobre os temas abordados nesse livro, principalmente sobre a gênese da humanidade , e tenho encontrado respostas satisfatórias às perguntas que sempre me acompanharam : de onde viemos, quem somos, para onde vamos?
Eu já admirava o senador , e agora presidente eleito , Barack Obama. Após a leitura deste texto passei a admirá-lo mais ainda .



***



O Presidente Eleito dos Estados Unidos
Resgata Idéias da Filosofia Teosófica Clássica

Por Carlos Cardoso Aveline

“O verdadeiro teosofista não pertence a nenhum
culto ou seita, e no entanto pertence a todos eles”.
(Robert Crosbie)

“Em nossa casa, a Bíblia, o Alcorão e o Bhagavad
Gita ficavam na prateleira juntamente com os livros
da mitologia grega, norueguesa e africana. Na
Páscoa ou no Natal [minha mãe] me arrastava para
a igreja, assim como para templos budistas, para a
celebração do Ano Novo chinês, para santuários
xintoístas ou para antigos locais de rituais havaianos.”
(Barack Obama)



A teosofia é uma filosofia planetária e a sua meta primeira é despertar a compreensão e a vivência da fraternidade universal. Assim como o movimento teosófico, ela é independente de rótulos, nomes pessoais, ideologias ou organizações. O que define o verdadeiro campo de ação da teosofia clássica e do seu estudante são fatores muito reais mas intangíveis como a compreensão das leis da natureza, a consciência ética e uma solidariedade para com todos os seres.
Ter acesso à sabedoria divina é um assunto de almas e não de corporações ou instituições. William Judge, um dos principais fundadores do movimento esotérico moderno, escreveu:
“Como o Movimento Teosófico é contínuo, ele pode ser encontrado em todos os tempos e todas as nações. Onde quer que o pensamento venha lutando para ser livre, onde quer que as idéias espirituais tenham sido promulgadas em oposição às formas e ao dogmatismo, lá o grande movimento pode ser percebido.” [1]

Deste ponto de vista, um cidadão de boa vontade e visão ampla pode ser considerado um verdadeiro teosofista, ainda que não seja membro de qualquer agrupação teosófica. Não importa se ele é cristão, judeu, budista, muçulmano ou seguidor de uma ou de outra filosofia. Na medida em que ele compreende a universalidade da ética planetária, sua vida ajuda a abrir espaço para a percepção da fraternidade universal, e ele é um verdadeiro teosofista, no plano da alma. Este talvez seja o caso do senador Barack Obama, eleito presidente dos Estados Unidos em novembro de 2008 e que agora se prepara para assumir a liderança do país mais influente do nosso processo civilizatório. Examinando fatos da vida de Obama e fragmentos dos livros que escreveu, poderemos avaliar o tamanho da afinidade entre ele e a ética e a sabedoria universais.

Derrubar os Muros Entre Povos, Raças e Religiões.

Em julho de 2008, Barack Obama falou em Berlim, Alemanha, para uma multidão calculada pelas autoridades policiais em duzentas mil pessoas. Ele abriu o evento sem precedentes esclarecendo que estava ali na condição de “cidadão do mundo” – uma expressão que contém em si mesma a idéia da cidadania planetária e de um mundo sem fronteiras. Ali estava um cidadão em campanha eleitoral nos Estados Unidos, falando em manifestação de rua em país europeu. Em seguida, Obama formulou a sua proposta de cooperação entre todos os povos. Referindo-se indiretamente à derrubada democrática do Muro de Berlim, em 1989, ele disse:
“A solidariedade e a cooperação entre as nações não é uma escolha. É o único caminho, o único caminho, para proteger a nossa segurança comum e fazer avançar a nossa humanidade comum. É por isso que o maior de todos os perigos seria permitir que novos muros nos dividam um dos outros. Os muros entre os velhos aliados dos dois lados do Atlântico não podem ficar de pé. Os muros entre os países que têm muito e os países que têm muito pouco não podem ficar de pé. Os muros entre raças e tribos; nativos e imigrantes; cristãos e muçulmanos e judeus, não podem ficar em pé. Estes são, agora, os muros que nós devemos derrubar. Nós sabemos que eles caíram antes. Depois de séculos de conflito, os povos da Europa formaram uma união promissora e próspera.”

E prosseguiu:

“Aqui, na base de uma coluna construída para marcar a vitória na guerra, nós nos encontramos no centro de uma Europa em paz. Muros caíram não só em Berlim, mas eles vieram abaixo em Belfast, onde os protestantes e os católicos descobriram uma maneira de viver lado a lado; nos Balcãs, onde a nossa aliança Atlântica terminou as guerras e apresentou criminosos de guerra à justiça; e na África do Sul, onde a luta de um povo corajoso derrotou o apartheid. Assim, a história nos faz lembrar do fato de que os muros podem ser derrubados. Mas a tarefa nunca é fácil. A verdadeira cooperação e o verdadeiro progresso requerem um trabalho constante e um sacrifício contínuo. Eles exigem que se compartilhe as responsabilidades do desenvolvimento e da diplomacia; do progresso e da paz. Eles requerem aliados que escutam uns aos outros, que aprendem uns dos outros, e, sobretudo, que confiam uns nos outros.” [2]

Libertar o Mundo Das Armas Nucleares.

Barack Obama acrescentou:

“Este é o momento em que devemos renovar a meta de um mundo sem armas nucleares. As duas superpotências que olhavam uma para a outra através do muro desta cidade estiveram demasiado perto, por um tempo demasiado longo, de destruir tudo o que nós construímos e tudo o que amamos. Com o final daquele muro, nós não necessitamos ficar parados sem fazer nada, olhando para a proliferação da energia atômica mortal. (...) Este é o momento de começar a trabalhar em busca da paz de um mundo livre de armas nucleares.”

*
Continue lendo AQUI ...


***



23 de out de 2008

Enya

Já dei destaque em posts anteriores sobre a Arte de Sissel ( muito parecida com o estilo da Enya ) , a arte de Violeta Parra , a arte de Sarah Brightman e sobre a arte do gênio do pop/clássico , o grego Yanni. Agora é a vez da Enya, essa incrível e misteriosa cantora/compositora irlandesa, nascida em 1961 .

Há muitas curiosidades sobre Enya e uma delas é que adora gatos e já teve doze em sua casa , mas atualmente tem apenas um . Apesar de milhares de pessoas desejarem assistir a um espetáculo dela ao vivo , Enya nunca se apresentou num grande show ou concerto . Entretanto recentemente afirmou em entrevista que pretende realizar um show ao vivo , possivelmente numa catedral . Outra curiosidade é que Enya comprou um castelo do século XIX, o Castelo Ayesha (que em árabe significa flor) e o rebatizou de Castelo Manderley.
Consta na sua biografia ( wikipedia ) que " Enya busca inspiração para as suas músicas na sua terra natal, com notada influência, principalmente, da cultura celta. Em 1980 passou a integrar a banda irlandesa Clannad (que significa família). A banda era formada pelos seus irmãos e tios. Enya tocava teclado e fazia vocal. Quando a banda começou com outro estilo mais para a música pop , ganhando notoriedade e participando em programas de televisão, ela resolveu deixar o grupo para seguir a carreira solo. "

Enya passou três anos sem lançar nenhum álbum, em 2005 lançou Amarantine e está lançando agora "And Winter Came " . Veja o clip aqui



Selecionei três vídeos da Enya : Amarantine, Orinoco Flow e Caribbean Blue.



Playlist
(use os controles avança/retorna )







Amarantine
(tradução)

Composição: Enya

Você percebe quando distribuiu o seu amor
Ele abre o seu coração
Tudo é novo
E você sabe que o tempo sempre achará um meio
De permitir seu coração acreditar que isto é verdade
Você sabe que o amor está em tudo o que você diz
Um sussurro, uma palavra
Promessas que você concede
Você o sente nas batidas do coração durante o dia
Você sabe que o amor é assim
Amarantine Amarantine Amarantine
Amor é...amor é amor
Você sabe que às vezes o amor vai te fazer chorar
Então deixe as lágrimas saírem...elas vão derramar
Para que você saiba que o amor vai sempre te permitir voar
O quanto um coração pode voar longe
Amarantine Amarantine Amarantine
Amor é...amor é amor
Você sabe quando o amor está brilhando em seus olhos
Podem ser as estrelas vindo lá de cima
E você sabe que o amor está com você quando você se ergue
A noite e o dia pertencem ao amor

*

Tradução de Dayan Vernum especialmente para www.amarantine.info

*




13 de out de 2008

Sob o Olhar dos Outros

Espelho
Artista : Catherine Abramov Rossiya


Recebi este texto do Programa Vida Inteligente e compartilho ...


" Como seria olhar para nós mesmos com os olhos dos outros? O que eles vêem que não queremos ver? O que evitamos admitir? Quando a crítica alheia nos agride, temos a oportunidade de reconhecer nossos pontos sensíveis. Tão sensíveis e frágeis que evitamos a todo custo tocá-los. Esses pontos são lugares escuros dentro de nós, nos quais receamos entrar e nos perder: emoções semelhantes a labirintos que nos confundem cada vez mais, sempre que penetramos neles. Por isso, costumamos simplesmente dizer: "Ele não podia ter dito isso... não suporto ser vista assim". Nesses momentos, o olhar daquele que nos agride chega até nós como um peso capaz de nos afundar. Ou seja, não suportamos a crítica alheia porque ela nos afunda na medida em que perdemos a capacidade de nos auto-sustentar.

Quando uma crítica nos deixa indignados, temos a oportunidade de saber um pouco mais sobre nós mesmos. Neste sentido, a desagradável e irritante crítica alheia pode se tornar uma brecha para encararmos de frente aspectos que antes negligenciávamos.Por isso, quando o golpe nos fere é hora de parar de lutar: deixar o outro partir como vencedor, para cuidar urgentemente de nós mesmos.Abandonar a luta significa decidir abandonar certas emoções e priorizar outras. É como largar a raiva em prol da clareza interior. Enquanto ficamos presos pelos ganchos da indignação, estamos atados ao olhar alheio como fonte de orientação. É preciso largar o outro, para recuperar a si mesmo.

Quando nos liberamos da carga extra, tocamos o que é essencial. Quando paramos de nos esforçar excessivamente, tocamos a energia básica que nos sustenta naturalmente. Emoções desconcertantes são como águas turbulentas: se as engolirmos, poderemos morrer afogados. O segredo é boiar para não afundar: entregar o corpo e a mente às águas turvas da emoção.

Quando boiamos, reconhecemos que nossa fragilidade não é mais uma ameaça, mas um passo inicial para entrarmos em nós mesmos. Afinal, só podemos superar nossos bloqueios se pudermos aprender a reconhecê-los como limitações possíveis de serem transformadas.O mero ato de perceber com mais clareza a nossa real condição já dá início a uma possível transformação.

Chögyam Trungpa nos alerta, em seu livro "Muito além do divã ocidental" (Ed. Cultrix):"O problema surge quando tornamo-nos ambiciosos demais ao lidar com nossas emoções - especialmente se estamos envolvidos na prática espiritual. Dizem-nos que devemos ser pessoas boas, gentis, afáveis. São idéias convencionais de espiritualidade. Quando começamos a perceber qualidades desagradáveis em nós mesmos, encaramo-las como antiespirituais e tentamos expulsá-las. É o maior erro possível quando trabalhamos com nossos padrões psicológicos básicos. Sempre que tentarmos expulsar os problemas maiores e buscar uma cura radical para eles, somos rechaçados e derrotados.

A idéia não é nos induzir a criar uma espiritualidade utópica, mas tentar observar os detalhes das emoções mais intensas, as qualidades dramáticas das emoções. Não é preciso esperar por situações que consideremos importantes e significativas para nós, devemos aproveitar até mesmo as menores situações em que as emoções ocorrem. Devemos trabalhar com as irritações menores ou menos importantes e suas qualidades emocionais específicas. Não se trata de suprimir ou desprezar as irritações, mas de passar a fazer parte delas, perceber suas qualidades abstratas. Com isso, as irritações não terão ninguém para irritar. Podem desaparecer ou transformar-se em energia criativa.

Quando somos capazes de trabalhar, tijolo por tijolo, essas emoções menores e aparentemente insignificantes, em algum momento constatamos que, removendo os tijolos um a um, acabamos removendo o muro todo".



***


PROGRAMA VIDA INTELIGENTE

Quinta-Feira, 8 às 9 da noite, AO VIVO .

Europa - Da meia-noite a uma da manhã .

TV Floripa Canal 4 da NET


***

12 de out de 2008

A Criança Que Existe Dentro de Mim

Painting
Titulo : Verão com Humor
Artista: Slava Grochev


Sempre aparentei bem menos que a idade real. Quando tinha 18 anos as pessoas me davam 13 ou 14 anos, aos 25 achavam que eu tinha 17 ou 18 , e assim por diante . Na verdade esse jeito de menina ainda tenho até hoje e parece que está escrito no meu mapa astral. Mercúrio e sol em gêmeos transmitem muita jovialidade .

Aos 19 anos alguém me chamou atenção em tom de crítica - um namorado, se não me engano - sobre minha infantilidade . Eu fiquei chateada com a crítica, que achei injusta (isso já demonstrava que ele tinha razão ) e fiz um arremedo de poema que dizia :

Sempre serei uma criança
Mesmo que o tempo
Deixe suas marcas
No meu corpo
Na minha pele
Nos meus cabelos
E assim
Nunca morrerei de velhice
Como se morre hoje em dia .

Ontem minha filha de 14 anos me perguntou sobre o presente do dia das crianças. Eu respondi que também queria um presente, pois ainda tenho uma criança dentro de mim. O fato é que essa criança que existe em mim é quem me segura quando o adulto balança . Como disse o poeta " há um/a menino/a, há um/a moleque/ca, morando sempre no meu coração, toda vez que o adulto balança ele/a vem prá me dar a mão " .

Que a criança existente no coração de todos nós nunca morra , pois o reino dos céus está ali , onde mora essa criança . Somente podemos compreender e amar incondicionalmente uma criança quando nos vemos nos olhos dela.

Um ótimo dia da criança para todos : crianças , jovens/crianças, adultos/crianças e idosos/crianças .

***

8 de out de 2008

O Pinheiro

Checkerboard Mesa and Ponderosa Pine
Artist : Mark Hamblin


Recebi de um amigo e compartilho ...

"Um dia, diante da velha árvore torta, um pinheiro todo vergado pelo tempo, o sábio da aldeia ofereceu a sua própria casa para aquele discípulo que "conseguisse ver o pinheiro na posição correta". Todos se aproximaram e ficaram pensando na possibilidade de ganhar a casa e o prestígio, mas como seria "enxergar o pinheiro na posição correta"? O mesmo era tão torto que a pessoa candidata ao prêmio teria que ser no mínimo contorcionista.

Ninguém ganhou o prêmio e o velho sábio explicou ao povo ansioso que, ver aquela árvore em sua posição correta, era "vê-la como uma árvore torta". Só isso!

Nós temos, em nós, esse jeito, essa mania de querer "consertar as coisas, as pessoas, e tudo o mais" de acordo com a nossa visão pessoal. Quando olhamos para uma árvore torta, é extremamente importante enxergá-la como árvore torta, sem querer endireitá-la, pois é assim que ela é. Se você tentar "endireitar" a velha árvore torta, ela vai rachar e morrer, por isso é fundamental aceitá-la como ela é.

Nos relacionamentos, é comum um criar no outro expectativas próprias, esperar que o outro faça aquilo que ele "sonha" e não o que o outro pode oferecer. Sofremos antecipadamente por criarmos expectativas que não estão alcance dos outros. Porque temos essa visão de "consertar" o que achamos errado. Se tentássemos enxergar as coisas como elas realmente são, muito sofrimento seria poupado.


Os pais sofreriam menos com os seus filhos, pois, conhecendo-os, não colocariam expectativas, que são suas, na vida dos mesmos, gerando crianças doentes, frustradas, rebeldes e até vazias. Tente, pelo menos tente, ver as pessoas como elas realmente são, pare de imaginar como elas deveriam ser, ou tentar consertá-las da maneira que você acha melhor. O torto pode ser a melhor forma de uma árvore crescer.Não crie mais dificuldades no seu relacionamento, se vemos as coisas como elas são, muitos dos nossos problemas deixam de existir, sem mágoas, sem brigas, sem ressentimentos.

E, para terminar, olhe para você mesmo com os "olhos de ver" e enxergue as possibilidades, as coisas que você ainda pode fazer e não fez. Pode ser que a sua árvore seja torta aos olhos das outras pessoas, mas pode ser a mais frutífera, a mais bonita, a mais perfumada da região, e, isso, não depende de mais ninguém para acontecer, depende só de você.
Pense nisso!"

***

27 de set de 2008

O Mito da Primavera


Estamos no início da primavera. Neste ciclo a natureza vibra em cores , em perfumes , na irradiante beleza das flores . Nada melhor do que conhecer um pouco sobre o mito da Primavera .

As deusas Démeter e Perséfone representavam para os povos da antiguidade os poderes da natureza, a sua transformação e o surgimento cíclico. Na Grécia Antiga, o primeiro dia da primavera era o dia em que Perséfone, prisioneira nas profundezas da terra durante seis meses, ressurgia ao regaço de Deméter, sua mãe.

Conta Homero que no sudeste da Europa havia um tempo em que reinava a eterna primavera. A erva era sempre verde e espessa e as flores nunca murchavam. Não existia Inverno, nem terra infértil, nem fome. A responsável por tanta maravilha era Démeter, a quarta esposa de Zeus. Desse matrimônio nasceu Core, chamada Perséfone. Uma bela jovem, adorada por sua mãe, que costumava brincar em um campo repleto de flores.
*


Um dia, passou por lá o terrível Hades com o seu temível carro puxado por cavalos. Apaixonou-se por Perséfone e raptou-a levando-a para o subsolo, o seu território. Deméter, não encontrando sua filha empreendeu uma peregrinação de nove dias e nove noites, à sua procura. Ao décimo dia , o Sol, que tudo vê, confessou para Deméter que Hades era o autor do rapto . Irritada pela ofensa Démeter decidiu abandonar as suas funções no Olimpo. Viveu e viajou pela terra. Esta ficou desolada e sem frutos uma vez que, privada da mão fértil de Deméter , ficou seca e as plantas não cresceram .

Ao deparar-se com tal desastre Zeus viu-se obrigado a intervir mas não pôde devolver a filha de Deméter, uma vez que Perséfone já tinha provado o fruto dos infernos (a romã) e por isso era impossível abandonar as profundezas e regressar ao mundo dos vivos. No entanto intercedeu fazendo uma composição : uma parte do ano Perséfone passaria com o seu esposo e, a outra parte, com a sua mãe.
Quando Perséfone regressa para estar com sua mãe, Démeter mostra toda sua alegria fazendo crescer as flores e os frutos, deixando a terra verde. Quando a jovem desce ao subsolo, o descontentamento da sua mãe demonstra-se pela tristeza do Outono e do Inverno. Assim renova-se anualmente o ciclo das estações sendo esta e explicação que os gregos davam à sucessão entre elas: o Outono e o Inverno são tristes e escuros como o coração de Deméter ao estar separada da sua filha. A alegria e a serenidade retornam quando voltam a ficar juntas, com a chegada da Primavera .


***

20 de set de 2008

A Roseirinha Torta

Estou sem inspiração para postagens mais elaboradas , pois meu tempo disponível tenho dedicado ao outro blog Arte Imita Vida_Imagens.

Todas as semanas recebo do Programa Vida Inteligente textos de ensinamentos e reflexão ( parábolas ) e decidi repassá-los aqui.


Uma ótima semana a todos...


*
A ROSEIRINHA TORTA

Era uma vez um homem que possuía um grande jardim, onde foram cultivadas as mais variadas flores. Perto desse jardim morava um menino que amava muito as plantas. Muitas vezes ele abandonava os brinquedos e encostava o rosto na cerca para olhar o jardim e admirar o colorido das flores. O garoto também tinha o seu canteirinho na frente da casa. Possuía uma pá, um regador mas não tinha ainda nenhuma muda de flor para plantar.O dono desse grande jardim é muito estranho - pensou o menino. Ele não tem o menor cuidado com as suas plantas. Não limpa os canteiros, não afofa a terra e nem a rega com freqüência.
Um dia, quando o homem visitava o seu jardim, parou em frente a uma pequena roseira torta com apenas umas poucas folhinhas verdes. Chamando o empregado, disse-lhe:- Arranque esta roseirinha. Ela nunca produzirá flores. Atire-a para fora da cerca.E o empregado fez exatamente como ele mandou. Naquele dia, quando o garoto voltava da escola, viu a roseirinha arrancada na beira da cerca e monologou:- Pobre roseirinha! Como ele teve coragem de arrancá-la... Aí onde a jogaram, você nunca dará rosas. Vou colocá-la no meu canteiro e cuidar de você.
Chegando em casa, trocou a roupa e, juntando a pá e o regador com água, cavou bem no centro do seu canteirinho, revirou a terra e ali depositou a roseirinha torta, deixando-a na melhor posição possível. Não se descuidou da planta. O calor do sol a aquecia, ele a regava e algumas vezes a chuva a refrescava. Um dia, ele reparou que nela surgia um botãozinho verde. A mãe lhe explicou que dali certamente sairia uma bonita rosa. De fato, na semana seguinte ele olhou da janela e, radiante, chamou sua mãe. Nem podia esperar se vestir... Desabrochava uma linda rosa branca da roseirinha torta.Cada pessoa que por ali passava, naquele dia, parava para admirar a pequena roseira com a sua única rosa branca.
À tardinha, o garoto ouviu uma voz do outro lado da cerca. Era o dono do grande jardim que dizia:- Que rosa lindíssima tem aí no seu canteirinho, meu filho. É mais rara e mais bonita do que qualquer uma das minhas. Como foi que você a conseguiu? - O senhor não se lembra daquela roseirinha torta que mandou arrancar e jogar fora? Pois é ela. Eu a apanhei murcha, ressecada e a plantei. Colaborei com o Pai do céu no cuidado com a planta e ela cresceu e produziu já esta bonita rosa - respondeu o menino.
O dono do grande jardim compreendeu a lição e saiu repetindo para si mesmo a expressão do menino:- Colaborei com o Pai do céu no cuidado com a planta e ela cresceu...

***


17 de set de 2008

Que você nunca deixe de acreditar!

Soul Searching by Angelo Cavalli

Espero que você possa aceitar as coisas como elas são, sem pensar que tudo conspira contra você, porque parte de nós é entendimento, mas, a outra parte é aprendizado.

Que você possa ter forças para vencer todos os seus medos e que, no final, possa alcançar todos os seus objetivos porque parte de nós é cansaço, mas, a outra parte é vontade.

Que tudo aquilo que você vê e escuta possa lhe trazer conhecimento e que essa escola possa ser longa e feliz porque parte de nós é o que vivemos, mas, a outra parte é o que esperamos.

Que você possa aprender a perder sem se sentir derrotado que isso possa fazer você cada vez mais guerreiro. Porque parte de nós é o que temos, mas, a outra parte é sonho.

Que durante a sua vida você possa construir sentimentos verdadeiros e que possa aceitar que só quem soube da sombra, pode saber da luz, porque parte de nós é angústia, mas a outra parte é conforto.

***
Recebi do Programa VIDA INTELIGENTE

1 de set de 2008

Novo Blog

Olá amigos/as ,

O novo blog Arte Imita Vida - Imagens está pronto .

Tenho carinho especial por este , adoro o banner, as cores e o fato de ter sido meu primeiro blog . Por isso não quis fazer nenhuma modificação neste blog optando por criar outro espaço . O desafio será administrar dois blogs, mas sou multifuncional , como a maioria das mulheres , acostumada com jornadas múltiplas . Trabalho, família , casa , manutenção do corpo/mente , vida social . Mulher de " mil e uma utilidades " ... :)

Continuarei postando aqui, entretanto com menor frequência . O blog não ficará parado .

Um agradecimento especial à Layla que me ajudou na montagem do Arte Imita a Vida_Imagens , com a edição do banner e adaptação do template . Agradeço a vocês que sempre me visitam e que me linkaram . Conto com o apoio de todos na divulgação do novo blog e quem puder linkar fico grata.
*
Clique no banner para conhecer o blog Arte Ilumina a Vida ( ex Arte Imita Vida_Imagens )


Banner 1 - Imagem JSH  
Agradeço ao JSH  que  cedeu a  imagem  e à Layla  que  editou o banner


Banner 2 - Lótus by Neiva
Agradeço à  Neiva, que  editou  o banner Lótus  com muita dedicação ...


Banner 3 - Galeria by Layla Lauar
Agradeço à Layla   que  fez  o novo layout  


*PS: Post reeditado , uma vez que o blog Arte Imita a Vida_ Imagens mudou o  banner   por três  vezes  e  o título passou a  ARTE  ILUMINA  A VIDA   



***


30 de ago de 2008

Espelho

Uma indústria de calçados desenvolveu um projeto de exportação de sapatos para a Índia. Em seguida, mandou dois de seus consultores a pontos diferentes do país para fazer as primeiras observações do potencial daquele futuro mercado. Depois de alguns dias de pesquisa, um dos consultores enviou o seguinte fax para a direção da industria: "Senhores, cancelem o projeto de exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos".
Sem saber desse fax, o segundo consultor mandou o seu: "Senhores, tripliquem o projeto da exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos, ainda".

MORAL DA HISTÓRIA
A mesma situação era um tremendo obstáculo para um dos consultores e uma fantástica oportunidade para outro. Da mesma forma, tudo na vida pode ser visto com enfoques e maneiras diferentes. A sabedoria popular diz: "OS TRISTES ACHAM QUE O VENTO GEME, OS ALEGRES ACHAM QUE ELE CANTA". O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira como você encara a vida faz TODA a diferença.

*desconheço a autoria




















































24 de ago de 2008

Olimpíada "Cor-de-Rosa"



Acabei de assistir a cerimônia de encerramento da Olímpíada de Pequim : Simplesmente espetacular ! Os chineses são mestres em simbologia e a festa teve como referência a estética e o símbolo.

Apesar de algumas decepções, como a do futebol masculino e da ginástica artística , achei que o Brasil fez uma boa campanha , pois conseguiu a 23ª posição, ficando em primeiro lugar entre os países sul-americanos e à frente de muitos países Europeus , como Áustria, Dinamarca, Suécia, entre outros.


Maurren : " Ainda não acredito..."



A garra das Meninas do voley!

Para o Brasil esta foi a Olimpíada "Cor-de-rosa" . A força das mulheres foi mostrada com duas medalhas de ouro, das três conquistadas por nossos atletas. Caso fosse uma olimpíada só de mulheres o Brasil ficaria com a 14ª posição. Aqui faço um parêntese . Não me entendam mal, nada de feminismo. Inconcebível uma olimpíada feminina . A hipótese foi apenas um meio de demonstrar a importância das mulheres nesta olimpíada.
Parabéns Maurren e meninas do voley, pela conquista do ouro, com garra, força e superação ! Parabéns ao Cielo, grande César ! Parabéns , da mesma forma, aos atletas que conseguiram as quatro medalhas de prata e oito de bronze , todas são importantes conquistas!
Enfim, parabéns a todos os atletas que não conseguiram chegar ao pódio e mesmo assim são vencedores, participar de uma olimpíada não é para qualquer um . Segundo as estatísticas entre cem atletas apenas um é olímpico.
A ordem agora é preparar-se para os jogos olímpicos de 2012 . Termina uma fase e começa outra. Como a própria vida, onde um ciclo é encerrado enquanto outro inicia .
Ficamos na expectativa que no Brasil haja mais incentivo e investimentos nos esportes , tanto governamental com mais verbas , como empresarial com muitos patrocínios .


Meninas da Ginástica Artística



Mulheres Medalhistas:
Fernanda Oliveira/Isabel Swan - Vela - BRONZE
Ketleyn Quadros - Judô - BRONZE
Equipe Futebol Feminino - PRATA
Maurren Maggi - salto em distância - OURO
Natália Falavigna - Taekwondo - BRONZE
Equipe Voley Feminino - OURO
***

20 de ago de 2008

Arte Rupestre


Tenho verdadeira paixão por arqueologia e sou adepta incondicional de ecoturismo . Para minha sorte vivo em um Estado muito rico em sítios arqueológicos , onde há a maior concentração de inscrições rupestres no Brasil . Sempre que posso vou ao Parque Nacional de Sete Cidades , um lugar mágico, indescritível.
Serra da Capivara , no município de São Raimundo Nonato-Pi , é outro Parque Arqueológico incrível, onde há muitos sítios de arte rupestre , com cenas de acasalamento , caça , animais , etc. Na pré-história a arte também imitava a vida .
Recebi esse texto de um amigo e posto aqui pois achei muito interessante ...
***
ARTE RUPESTRE
"Aqueles que desconhecem seu passado, estão condenados a repeti-lo" (Rosane Volpatto)
As mãos manchadas de sangue deixam uma silhueta estampada na parede da caverna, o homem pré-histórico a percebe e isso passa a se constituir a descoberta mais sensacional. Será através das mãos, instrumento de preensão técnica, que ele reproduzirá suas experiências, manifestando-se conscientemente através da arte. As silhuetas das mãos, assim como dos pés, são encontradas entre as manifestações artísticas mais primitivas do mundo.

Descobrindo o homem que sabia desenhar, encheu as paredes de sua caverna com pinturas. Neste período, tais desenhos ensaiam os primeiros passos e ainda não são arte no sentido pleno, porque não possuem substância, não mobilizam em sua plenitude, os efeitos da linha e da cor. Este primeiro ser que feriu a tranqüilidade da pedra, para dar um risco explicativo e intencional, estava no período infantil. Este indivíduo primitivo, cuja mentalidade o índio encontrado no Brasil conservava, ainda era presa do primeiro choque, do primeiro espanto diante da multiplicidade da vida. Por isso, gisava, riscava e gravava coisas simples a que chamamos de inscrições lapidares, inscrições petrográficas ou desenhos rupestres.
Esta arte rudimentar já foi encontrada em todos os lugares da terra. E, os motivos dos desenhos, são geralmente idênticos: linhas verticais, paralelas e transversais; círculos, círculos concêntricos, espirais, o pé humano, a figura humana e animais. Estes desenhos rupestres formam um patrimônio comum, sem nenhuma interdependência, como criação espontânea e intuitiva. Sabe-se que produtos de intercorrência, não implicam necessariamente relações ou contato culturais.
De início, alguns estudiosos acreditavam que as cavernas pintadas constituíssem a vivenda dos homens primitivos, com seus adornos e sua decoração. Entretanto, com o tempo, descobriu-se que as galerias, contendo pinturas, constituíam na realidade santuários, centros rituais e iniciáticos. A arte foi então, um instrumental que tornou possível a concretização do mundo mítico e a exposição de seus conceitos mágico-religiosos. As pinturas faziam parte de um ritual que se completava com mímica, danças e relatos de lendas. Através destes rituais, que o homem procurava curar as doenças, eliminar os inimigos, apaziguar os deuses e provocar ou acalmar a natureza. Concluindo, a arte e a magia andavam de mãos dadas, indissolutas.

O Brasil possui valiosos sítios arqueológicos em seu território, embora nem sempre tenha sabido preservá‑los. Em Minas Gerais, por exemplo, na região que abrange os municípios de Lagoa Santa, Vespasiano, Pedro Leopoldo, Matosinhos e Prudente de Moraes, existiram grutas que traziam, em suas pedras, sinais de uma cultura pré‑histórica no Brasil. Algumas dessas grutas, como a chamada Lapa Vermelha, foram destruídas por fábricas de cimento que se abasteceram do calcário existente em suas entranhas. Além dessas cavernas já destruídas, muitas outras encontram‑se seriamente ameaçadas.

Quando a evolução humana se processa, a produção artística reflete esta evolução, por isso, que, em face do mundo, o homem cria, o homem vibra, o homem traduz em cores, em riscos, em desenhos, esta vibração interior.
Resumo de texto pesquisado e desenvolvido por
ROSANE VOLPATTO
Imagens : Banco de Imagens  Google
***

17 de ago de 2008

Ave, César... É Ouro!


Cielo, o homem peixe



Extravasando a emoção no momento da vitória...É ouro!



O choro de comovente alegria ao ouvir o Hino Nacional no pódio




Sua Magestade , o Imperador César , no Templo do Cielo com seus súditos



***


Palavras de um campeão olímpico ...


"Fala, galera!!

Ontem foi o melhor dia da minha vida, sensacional. Se eu tivesse que mudar alguma coisa na trajetória para chegar até aqui, não mudaria nada. Toda a batalha até o final. Nadei o meu melhor, e o meu melhor, graças a Deus, foi o ouro.
O Xuxa (Fernando Scherer) me perguntou por telefone qual era a sensação de subir ao pódio e ouvir o hino. É sensacional, não tem palavras para descrever, é o sonho de qualquer atleta.
Foi muito trabalho, muito treino até aqui, não é sorte, é trabalho de três anos.
Quero agradecer a todo mundo que me apoiou até aqui, meu clube, meus patrocinadores, meu técnico e em especial a minha família. Sem eles, nada disso seria possível.
Obrigado por toda força que vocês me mandaram por aqui. Valeu a pena. Agora é voltar para o Brasil e descansar.
Abraço

Césão "



***


14 de ago de 2008

O Combustível da Autoconfiança



(por Kau Mascarenhas)


Desarrumada e mal vestida, a menina negra, magra pela fome e não pela anorexia, desceu o morro carioca para tentar a sorte no programa de calouros de Ary Barroso. Era o momento áureo do rádio que, dos anos de 1930 a 1950, revelou grandes nomes da MPB.

Na fila de inscrições estavam lindas jovens bem vestidas e a menina favelada olhava para elas sem qualquer medo. Tinha apenas treze anos e já era mãe. Seu bebê estava doente e ela precisava fazer algo para conseguir algum dinheiro. No corredor os calouros aguardavam o chamado e em seguida entravam trêmulos.

- Elza Gomes da Conceição, sua vez! Após ouvir seu nome, a menina cruzou a porta do estúdio. Cerca de mil pessoas a aguardavam. O programa era o maior sucesso na época e no palco estava o grande Ary Barroso, autor de “Aquarela do Brasil”, pois ele próprio acompanhava os calouros ao piano.

Ao ver a menina com no máximo 35 quilos, subindo ao palco completamente desengonçada, usando uma roupa emprestada e ajustada com alfinetes para conter as sobras de pano, duas marias-chiquinhas, a platéia explodiu na risada.O apresentador do programa arrumou os óculos e disse, friamente:

- Aproxime-se.

Ela ignorou as gargalhadas e foi até ele.

- O que você veio fazer aqui? – perguntou intrigado.- Ué, eu vim cantar. – disse ela com o ar mais inocente desse mundo.- Mas quem disse a você que você canta? - Eu! – falou com voz firme.- Diga-me uma coisa: de que planeta você veio? – questionou de forma ácida.

Ela respirou fundo e lhe respondeu:

- Eu vim do planeta-fome, seu Ary. Do mesmo planeta de onde o senhor veio.

Nesse momento o auditório se calou. Ali estava uma adolescente cheia de bravura, desafiando o grande ícone da música brasileira, lembrando que ele próprio também tivera um berço pobre e que havia passado por dificuldades acerbas como as que ela no momento passava.

Silencioso, Ary apontou para ela o microfone e deslizou seus dedos no teclado em seguida.

A menina então começou a cantar com a voz afinada e ao mesmo tempo arranhada, rouca, única, apresentando efeitos que ninguém jamais tinha ouvido.

No final, o mesmo público que riu tanto dela em sua chegada vibrou de emoção e encheu o estúdio de palmas. Ela as recebeu chorando, abraçada com Ary que, igualmente muito emocionado, disse:

- Senhoras e senhores, nesse exato momento acaba de nascer uma estrela.

Elza Soares, em seu livro “Cantando para não Enlouquecer”, narra sua história repleta de momentos de superação como esse.Podemos nos perguntar: o que faz alguém como ela chegar à vitória, vencendo obstáculos tidos com intransponíveis, atravessando oceanos de dificuldades?

O que move uma alma na direção da excelência em qualquer área, fazendo com que até mesmo os maiores problemas se transformem numa espécie de combustível para vôos mais altos?

O que produz essa certeza de que não há porque recuar e que vale seguir adiante?

Resposta: Auto-confiança.

Ter convicção do nosso próprio potencial e sentir que é possível fazer algo valioso, com aquilo que já guardamos em nosso interior, é uma espécie de elemento mágico que promove a química do sucesso.

Pessoas que não acreditam em si mesmas acabam não deixando aflorar o imenso poder que já possuem.

Mas aqueles que têm convicção das suas habilidades e talentos e que, por outro lado, também são capazes de reconhecer seus pontos fracos, se colocam no caminho do crescimento. Ter auto-conhecimento para perceber aquilo que podemos melhorar não significa sentir-se pequeno, fraco, mas representa poder de percepção para melhorar continuamente.

Portanto, se confiamos em nós mesmos podemos ver, com tranqüilidade, aquilo que nos falta, ao mesmo tempo em que notamos aquilo que já possuímos de bom.

Esse duplo foco nos desperta uma grande energia na busca dos nossos propósitos.

Como dizia Henry Ford: “Se você acredita que pode ou se você acredita que não pode, de qualquer jeito estará certo”.

Estou convicto de que a história de Elza Soares, essa fantástica cantora da nossa terra, pode ser inspiradora para você.

Ela nos lembra o quanto podemos fazer diferença no mundo quando, diante das dificuldades, respiramos fundo, acessamos recursos latentes e seguimos firmemente na direção dos nossos sonhos.

Vou dizer algo para você e espero que lembre sempre disso. Duas palavras bem simples mas que expõe a minha crença de que você tem grande força interior, bem como o meu desejo de que mostre ao mundo seu potencial.

As palavras são: Você pode!
***

13 de ago de 2008

Canção das Mulheres



Que o outro saiba quando estou com medo e me tome nos braços sem fazer perguntas demais.

Que o outro note quando preciso de silêncio e não se vá embora batendo a porta, mas entenda que não o amarei menos se precisar ficar um pouco quieta.

Que, se estou apenas cansada, o outro não pense logo que estou nervosa, ou doente, ou agressiva, nem diga que reclamo demais.

Que o outro sinta quanto me dói a ideia da perda e ouse ficar comigo um pouco - em lugar de voltar logo à sua vida, não porque lá está a sua verdade, mas talvez por culpa ou acomodação.

Que, se começo a chorar sem motivo depois de um dia daqueles, o outro não desconfie logo de que é culpa dele, ou que não o amo mais.

Que, se estou numa fase má, o outro seja meu cúmplice, mas sem fazer alarde, nem dizendo: "olha que estou a ter muita paciência contigo".
Que, se me entusiasmo por alguma coisa, o outro não a despreze nem me chame de ingénua, nemqueira fechar essa porta necessária que se abre para mim, por mais tola que lhe pareça.

Que, se eu eventualmente perco a paciência, perco a graça e perco a compostura, o outro ainda assim me ache linda e me admire.

Que o outro - filho, amigo, amante, marido - não me considere sempre disponível, sempre necessariamente compreensiva, mas me aceite quando não posso ser nada disso.

Que, finalmente, o outro entenda que embora às vezes me esforce, não sou nem devo ser a mulher-maravilha, mas apenas uma pessoa vulnerável e forte, incapaz e gloriosa, assustada e audaciosa ... uma mulher!

(Trecho de uma crônica de Lya Luft )

***